Como tornar a comunicação em compliance mais efetiva?

Por Tatiana de Toledo* | Adaptação web Tayla Carolina

Quantos de nós já estivemos em alguma palestra ou treinamento, seja como palestrantes ou público, e vimos que grande parte das pessoas não está, de fato, prestando atenção? Se o tema for Compliance, parece que se torna ainda mais claro que o interesse é menor.

Por que ocorre tal desinteresse? Será que há uma forma de tornar a comunicação em Compliance mais efetiva? Não existe uma única resposta, mas existem alguns caminhos e alternativas que podem ser adaptados à realidade de cada empresa ou situação em que a comunicação precisar ser realizada.

O primeiro ponto é entender que a maioria das pessoas não acha necessário prestar atenção em treinamentos de Compliance por uma simples razão: já nos consideramos éticos e, se por acaso não tivermos sido em alguma situação, sempre há uma boa justificativa! E se somos éticos e corretos, é simples seguir qualquer procedimento de Compliance, certo? Bem, mas não é exatamente isso que temos visto por aí.

Reconhecimento

Hoje não basta ser ético, tem que ser, parecer e conseguir provar! Desta forma, a primeira sugestão para trazer a atenção das pessoas é tentar posicionar melhor a todos sobre o que é ética e inseri-la no contexto do seu cotidiano. Sendo um treinamento (presencial ou não), o mais fácil é incluir exemplos.

Nesse momento, provavelmente as pessoas vão se reconhecer ou mesmo lembrar de algum exemplo que já tenham vivenciado. Melhor ainda é se quiserem compartilhar esses exemplos com o grupo. Outro ponto é evitar termos muito técnicos ou jurídicos.

Ainda que, muitas vezes, seja preciso passar essa mensagem, que seja feito de forma mais leve e, novamente, utilizando exemplos ou casos conhecidos.

Em grupos menores também costuma funcionar bem a realização de estudos de caso ou mesmo dilemas para que as pessoas discutam e assimilem melhor os conceitos que desejamos trazer.

 

*Tatiana de Toledo é gerente na Protiviti, consultoria global especializada em Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Compliance, Gestão da Ética, Prevenção à Fraude e Gestão da Segurança. Tatiana é certificada em Compliance pela International Compliance Association – UK.

 

Para ler esse texto na íntegra,compre a revista Visão Jurídica – Ed. 140